Microsoft Office ou LibreOffice?

0

Andreo Fischer

Querido leitor do Provável, esta é uma das matérias que vão te fazer pensar duas vezes, ainda mais se você for um empresário.

Ter uma suíte office é um requisito primordial de todas as empresas que têm um computador em sua estrutura, mas a escolha entre uma suíte famosa e outras que não tem marketing pode tendenciar você a fazer um gasto desnecessário.

Não entendeu nada? Então vamos às nossas explicações.

Em primeiro lugar, uma suíte office é composta por programas como um editor de textos, de planilhas ou de apresentações por exemplo. Nisso te vem a cabeça o Word, o Excel, o PowerPoint e acha que eles são únicos no mercado e portanto essenciais na sua produção diária.

Suponhamos que você tenha estes programas licenciados (que pague para usar eles), eu vou te dizer que existem programas que fazem a mesma coisa e são totalmente gratuitos.

Ah mas como assim? É que a suíte Microsoft Office é um software proprietário, ou seja, ele é de desenvolvimento e manutenção exclusivos da empresa Microsoft que também mantém o sistema operacional Windows nos mesmos moldes. Nem sempre um software proprietário é pago e nem sempre um software livre é grátis, mas o caso da Microsoft é de que ela cobra uma licença de todas as suas soluções, o que para uma empresa com por exemplo, dez computadores com Windows e Office poderemos dizer que essa empresa paga 20 licenças (10 Windows + 10 Office), mas isso é uma suposição tendo em vista que isso pode ser facilmente negociado com quem revende o licenciamento.

Já o software livre é diferente, ele é construído e editado por uma comunidade formada por pessoas como você que tem acesso ao código fonte da aplicação que estiver usando, e caso veja um erro ou visione uma melhoria, você mesmo poderá promover os ajustes que precisar. A grande maioria do software opensource (livre) é de fato gratuita, é só ir lá no site e baixar, instalar e usar. Outros são pagos mesmo, mas isso é assunto para outra coluna. Agora programas como a suíte LibreOffice, que é o que vamos apresentar, não cobra nada de ninguém pelo uso do software e sobrevive de doações das pessoas que querem apoiar o projeto de desenvolvimento e manutenção da suíte.

O LibreOffice é um programa leve e tem TODOS os recursos da solução da Microsoft, podendo ser instalado em residências, empresas e órgãos públicos sem pirataria, licenças e com uma implantação muito fácil.

Posto isso, muitas pessoas ficam receosas sobre ter de lidar com algo diferente:

: Não sei usar = a interface é simples e intuitiva.

: Acho que é muito pesado: o LibreOffice já roda com 256 MB de ram (estas memórias eram populares na época em que se jogava Counter-Strike no corujão da lan-house)

: Não dá certo, no computador da faculdade não vai abrir o texto que eu preparei no LibreOffice = todos os programas que compõem a suíte tem opção de salvar nos formatos do Microsoft Office (docx para Word, PPT para PowerPoint, xls para Excel)

Para se ter uma ideia do que o software livre representa, o Ministério Público do Paraná através do Departamento de TI promoveu em 2015 a troca do Microsoft Office para o LibreOffice em todos os computadores do órgão jurídico.

De lá para cá o MP/PR economizou R$ 2,4 milhões em licenciamento para a Microsoft, dinheiro público que tem a premissa de ser bem utilizado em favor dos cidadãos.

Agora você, leitor do Provável tem mais uma opção. Dê uma chance ao software livre. Baixe e teste por alguns dias. Há uma infinidade de programas para todos os perfis de pessoas e todos são muito amigáveis na interface e no uso.

Comentários