Governo anuncia privatização dos Correios e do Trensurb

0
Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou na noite dessa terça-feira (20/08/2019) que o governo deve anunciar nesta quarta-feira (21/08/2019) a privatização de 17 empresas. “E nós achamos que vamos surpreender. Tem gente grande que acha que não será privatizado e vai entrar na faca”, disse o ministro, ao dizer em seguida que “ano que vem tem mais”.

“Nós vamos seguir [com as privatizações], é um tempo bom, vai dando certo. Achamos que quatro anos é um tempo bom, faltam três anos e meio, dá tempo ainda”, disse o ministro. “Essa fusão da Embraer com a Boeing é um negócio extraordinário. Se conseguirmos fazer mais duas ou três grandes fusões de grandes empresas brasileiras”, disse.

Veja a lista das 17 estatais, divulgada pelo Poder 360:

  • Empresa Gestora de Ativos (Emgea);
  • Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias (ABGF);
  • Serviço Federal de Processamento de Dados (Serpro);
  • Empresa de Tecnologia e Informações da Previdência Social (Dataprev);
  • Casa da Moeda;
  • Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo (Ceagesp);
  • Centrais de Abastecimento de Minas Gerais (Ceasaminas);
  • Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU);
  • Empresa de Trens Urbanos de Porto Alegre S.A. (Trensurb);
  • Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa);
  • Empresa Brasil de Comunicação (EBC);
  • Centro de Excelência em Tecnologia Eletrônica Avançada (Ceitec);
  • Telebras;
  • Correios;
  • Eletrobras;
  • Loteria Instantânea Exclusiva (Lotex);
  • Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp).

O ministro elogiou a fusão entre as empresas Embraer e Boeing e disse ainda que o ideal seria fazer mais duas ou três fusões do tipo. Em seguida, Guedes afirmou que o governo tem conversado com os Estados Unidos e a China em busca de acordos comerciais. “Vamos dançar com os americanos e com os chineses”, disse.

Conversa com o Senado
Guedes disse ainda ter saído positivamente surpreso de conversa que teve mais cedo com lideranças do Senado em relação a prazos para a reforma tributária e para a proposta de pacto federativo.

O ministro contou que chegou para a reunião com a previsão de que a reforma tributária levasse de cinco a seis meses para ser votada e que o pacto levaria de oito meses a um ano. No entanto, os senadores esperam concluir tudo de dois a três meses. “Eu saí de lá assobiando”, afirmou o ministro. “Foi uma conversa extraordinariamente positiva.”

MAIS SOBRE O ASSUNTO

Guedes, que participou de evento de premiação de empresas em São Paulo, quis compartilhar com os presentes um pouco do que tem sido a experiência em Brasília. Segundo ele, a capital federal tem “muito ruído”, porque “dá emoção”, mas ressaltou que os sinais são muito bons. “O que vejo em Brasília é muito diferente do barulho, não é isso o que está acontecendo”, disse.

O chefe da Economia disse que tem visto os parlamentares com vontade política para realizar mudanças. “Estamos contrariando a expectativa de que seria um governo sem sustentação parlamentar”, afirmou o ministro, em referência ao andamento da agenda econômica no Congresso, sem deixar de dar o mérito para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). (Com informações da Agência Estado e Metrópoles)

Comentários